sexta-feira, março 31, 2006

Love Nigga 2 - Late Registration


Um dos dois maiores exemplos de classe e categoria dos nossos tempos. Não confundam pop nigga rafeira com o que este senhor anda a fazer! Produção do mais alto nível!

Love Nigga 1!

Para lá das ancoras sociais ou raciais, Spike Lee em versão Cool Love!

Muito bom!

Ainda existem filmes diferentes! Sem ser o Old Boy claro!!

segunda-feira, março 20, 2006

quinta-feira, março 09, 2006

This is FRIENDS PARTY II

Olá caros amigos e amigas!! Já marcaram as agendas? Já sei que muitos já o fizeram pelo que tenho a certeza que vai ser uma noitaça daquelas....
Desta vez temos mais opções musicais pela noite dentro...Freshkitos, SolidGrooves e o Ricardo Almeida.
Freshkitos

SolidGrooves (na 1º Friends Party)

Ricardo Almeida


Os convites já circulam! (convite obrigatório)

DIA 31 de Março, Sex. @ INDÚSTRIA PORTO!!

INFO : party.friends@gmail.com

segunda-feira, março 06, 2006

CRASH


Merecido!
E o som de STEREOPHONICS (Maybe Tomorrow) no final, ficou gravado... (na memória e em mp3).

e TIGA na Indústria foi assim....




sexta-feira, março 03, 2006

Lindo (off topic)

Encontrei esta pérola aqui e não resisti a compartilhar.

Com a devida vénia, transcrevem-se a seguir extractos do Acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa de 9 de Abril de 2002, publicado na Colectânea de Jurisprudência, Ano XXVII (2002), tomo 2, pagina 142 e seguintes.
O Ministério Público deduziu acusação pela prática de crime de ameaças porque “durante uma discussão, o arguido ameaçou o ofendido, dizendo que lhe dava um tiro nos cornos”. “Com tais palavras o visado sentiu intranquilidade pela sua integridade física”.O Juiz (de julgamento) decidiu não receber a acusação “porque inexiste crime de ameaças (…) simplesmente pelo facto de o ofendido não ter «cornos», face a que se trata de um ser humano. Quando muito, as palavras poderiam integrar crime de injúrias, mas não foi deduzida acusação particular pela prática de tal crime”.
O Ministério Público recorreu da decisão, tendo o Tribunal da Relação de Lisboa acolhido o seu recurso, dando-lhe razão, remetendo-se o processo para julgamento, entre outros, pelos motivos que de seguida se descrevem, em breves extractos.“Como a decisão (recorrida) não desenvolve o seu raciocínio – talvez por o considerar óbvio -, não se percebe quais as objecções colocadas à integração do crime. Se é por o visado não ter cornos estar-se-ia então perante uma tentativa impossível? Parece-nos evidente que não.”“Será porque por não ter cornos não tem de ter medo, já que não é possível ser atingido no que não se tem?”“Num país de tradições tauromáquicas e de moral ditada por uma tradição ainda de cariz marialva, como é Portugal, não é pouco vulgar dirigir a alguém expressão que inclua a referida terminologia. Assim, quer atribuindo a alguém o facto de “ter cornos” ou de alguém “os andar a pôr a outrem” ou simplesmente de se “ser como” (…) tem significado conhecido e conotação desonrosa, especialmente se o seu detentor for de sexo masculino, face às regras de uma moral social vigente, ainda predominantemente machista”.
“Não se duvida que, por analogia, também se utiliza a expressão “dar um tiro nos cornos” ou outras idênticas, face ao corpo do visado, como “levar nos cornos”, referindo-se à cabeça, zona vital do corpo humano. Já relativamente à cara se tem preferido, em contexto idêntico, a expressão «focinho»”.“Não há dúvida de que se preenche o crime de ameaças (…) uma vez que a atitude e palavras usadas são idóneas a provocar na pessoa do queixoso o receio de vir a ser atingido por um tiro mortal, posto que o local ameaçado era ponto vital”.